miércoles, 28 de junio de 2017

Vento



Há um vento que transita,
que arrasta as folhas caídas,
mas que não pode arrastar
tantas horas concluídas.

Há um outrora que suspira,
que deseja reviver,
se alimenta de lembranças
na ilusão de florescer.

Recuperar a alegria,
que tive ou imaginei,
foi buscando a minha alma
pelos caminhos que andei.

Talvez o amor consiga
inundar-me de quimeras,
por entre estrelas cadentes,
entre mágicas esferas.

Algo pois deve existir
para renascer por fim,
com o que resta da vida
com o que resta de mim.

No hay comentarios:

Publicar un comentario